Pobreza

26 08 2008

Banco Mundial cria nova linha internacional da pobreza

Nos EUA, o candidato Republicano, MacCain, para se livrar da pecha de rico que não sabe quantas casas tem, lembra o seu passado de prisioneiro de guerra no Vietnã, onde não tinha mesa, cadeira, TV…

Na convenção Democrata, a mulher de Obama faz um discurso onde se esforça para mostrar que o candidato é parte de uma família que vive o “sonho Americano”.

No Brasil, Lula promete acabar com a pobreza com a riqueza do Pre-Sal, riqueza em Petroleo que não se pode saber quando será extraído, já que se localiza em areas profundas que nunca antes foram exploradas comercialmente.

O STF, que nunca se dignou a olhar a dignidade de nenhum preso pobre, agora proíbe algemas porque um banqueiro foi algemado e perde sua dignidade. Resta saber se os pobres que continuam morrendo no dia a dia nos morros terão o mesmo tratamento digno do STF, de preferência, antes de morrer…

Sim, a vida segue após as olimpíadas, com uma discussão se gastamos muito ou pouco dinheiro para só trazer 3 medalhas de ouro, com todos olhando maravilhados a China.

Ao pé de pagina, ficamos sabendo que nos EUA a renda dos trabalhadores caiu nos últimos anos e a renda dos ricos aumentou e que este movimento continua, apesar e inclusive por causa da crise, que os preços das casas estão caindo e cai portanto o valor do patrimônio dos trabalhadores e dos pobres. Na Inglaterra começam os movimentos de retomada das casas dos que não podem pagar. Nestes países, o credito atinge por volta de 150% a 170% do PIB nacional. No Brasil, coitadinho, o credito atinge apenas 40% do PIB, os banqueiros olham esperançosos a possibilidade deste valor aumentar, em particular aumentando o credito imobiliário que aqui é só 2% do total do crédito e nestes países chega a 70%…Sim, tudo vai bem e podemos, com um pouquinho de ajuda nos metermos na mesma crise dos EUA e Inglaterra, além de sofrer as conseqüências das crises deles.

A crônica seria insípida e esta insípida se não me atingisse os olhos uma noticia do site do Estadão que usei para enfeitar o inicio da pagina: Banco Mundial cria nova linha internacional da pobreza. Reproduzo aqui uma parte da noticia que acredito ser de interesse geral.

Um novo cálculo do Banco Mundial aponta que o número de miseráveis cresceu em quase todo o mundo. A nova linha da pobreza, de US$ 1,25, revela que em 1981 havia 1,9 bihão de pessoas vivendo com essa quantia diariamente, ao contrário da antiga margem, que considerava que 1,5 bilhão sobrevivia com US$ 1,00 por dia. De acordo com o novo cálculo, em 2004 havia 1,4 bilhões de pessoas vivendo com US$ 1,25 diários; com a margem antiga, 985 milhões viviam com US$ 1,00. Salvo a China que vem conseguindo resultados positivos no combate contra a pobreza, o mundo continua vendo um aumento no número de miseráveis nos últimos 25 anos, inclusive na América Latina. Até mesmo a Índia, que alegava ser um exemplo de crescimento, demonstra ter um número maior de pobres hoje que em 1981 em termos absolutos.

Eu olhei a noticia e no principio não entendi. É isso mesmo? Só é pobre quem vive com menos de dois reais (R$ 2,00) por dia? R$ 60,00 por mês? Vindo de onde veio, não me assustaria se este fosse o novo valor do salário mínimo que o Banco quer propor…

É um valor muito baixo, pense cá com meus botões.  Ainda por cima, se olharmos uma outra noticia, no site do Estado de São Paulo de hoje (3/9/08) que explica:

4,8% foi a alta da inflação em julho no grupo de 30 países mais ricos ante o
mesmo mês de 2007
5,6% foi o aumento dos preços nos Estados Unidos

7,2% foi a alta nos preços dos alimentos nos países desse grupo

Sim, os preços aumentam e particularmente os preços dos alimentos (quase o dobro do restante). E resolvi pesquisar o valor da bolsa família do governo Lula (Folha de São Paulo):

O valor máximo do benefício do programa Bolsa Família pago às famílias com renda mensal de até R$ 60 vai subir, a partir de julho, dos atuais R$ 172,00 para R$ 182,00. Com a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de reajustar em 8% os benefícios do programa, o valor mínimo pago às famílias pobres do país também vai passar de R$ 18,00 para R$ 20,00.

O programa Bolsa Família reúne três tipos de benefícios. Pelo tipo básico, o pagamento é de R$ 58,00. É destinado às famílias consideradas extremamente pobres, aquelas com renda mensal de até R$ 60 por pessoa.

Nas famílias com renda per capita entre R$ 60 e R$ 120, o benefício é de R$ 18 –limitado a três crianças e adolescentes –que subirá para R$ 20. O valor máximo do benefício vai saltar de R$ 172 para R$ 182 àquelas famílias com renda até R$ 60, com mais de três filhos que recebem o benefício para básico, além de dois jovens matriculados regularmente nas escolas.

O benefício do tipo que considera o número de adolescentes por família é no valor de R$ 30. É pago a todas as famílias ligadas ao programa que tenham adolescentes de 16 e 17 anos freqüentando a escola. Cada família pode receber até dois benefícios variáveis vinculados ao adolescente, ou seja, até R$ 60.

Com o reajuste, todos os beneficiários do programa terão aumentos –uma vez que os valores pagos pelo programa variam atualmente de R$ 18,00 a R$ 172,00, de acordo com a renda mensal por pessoa da família e o número de crianças e adolescentes até 17 anos.

Uma citação extensa porque parei para ler atentamente. É evidente que o Bolsa Familia corresponde aproximadamente ao valor que um pobre recebe, fica no limite considerado pelo Banco Mundial. Parece até que combinaram.

Qualquer trabalhador sabe que isto é muito, muito pouco. Os operários industriais recebem bem mais que isso, inclusive naqueles setores com mão de obra considerada mais desqualificada como construção civil ou tecelagem. Viver acima do limiar da pobreza é ainda ser pobre. Muito e muito longe de ter o necessário para viver. Lembremos que o índice

O Banco Mundial demorou 3 anos estudando para chegar a conclusão que o limiar de pobreza deveria passar de 1 dolar para 1 dolar e 25 centavos. Nestes 3 anos o valor dos alimentos – algo que é básico para todo pobre – subiu muito mais de 25% a nível mundial e o valor do dólar desceu mais ainda. Os economistas que fizeram o estudo, é claro, ganham muito mais que 1 dolar…a hora.

Um comentário interessante – na China diminuiu a pobreza? No Pais onde o numero de greves e manifestações aumenta a cada dia? No Pais onde milhões são despejados de suas terras e jogados sem condições nenhuma em cidades, deslocados milhares e milhares de quilômetros, com famílias deslocadas vivendo marido e mulher sem se verem o ano inteiro, filhos arrancados dos pais em tenra idade para irem trabalhar? Na verdade o que acontece é que a China passou de uma economia planificada, onde havia necessidades mas o básico era suprido para uma economia de mercado onde milhões e milhões são jogados não só na pobreza de menos de um dólar por dia, como, além disso, toda a rede de proteção social que existia – comida, casa, educação quase gratuitas ou gratuitas foram simplesmente desmanteladas. Mas as estatísticas do Banco Mundial só medem o que a pessoa recebe de dinheiro e isso não era dinheiro…

Mais que nunca é valida a previsão feita pelos Marxistas do Seculo XIX de que o capitalismo criava imensas riquezas e pobres mais ainda, mais e mais camadas são jogadas no proletariado, mais e mais a necessidade da revolução social, da derrubada do capitalismo se faz sentir no mundo inteiro.

Anúncios







%d blogueiros gostam disto: